domingo, 15 de fevereiro de 2015

0

OVERDRIVE: Entrevista com a vocalista Fernanda Hay

Álbum de estreia, videoclipe, shows, preconceito, cena rock nacional, planos para 2015, a vocalista Fernanda Hay do OVERDRIVE falou sobre isso tudo e muito mais...

Oriunda de Curitiba a jovem banda OVERDRIVE nascida em 2012 sendo composta  por Diego Porres (Baixo), Fernanda Hay (Vocal), Joel Jr. (Bateria), Luis Follmann (Guitarra), chamou a atenção na cena rock local e até nacional em 2013/14 com seu auto-intitulado álbum de estreia. Desde então o grupo tem feito várias apresentações importantes, incluindo abertura para o ícone YNGWIE MALMSTEEN. Em 2014 o grupo lançou seu primeiro videoclipe oficial que já ultrapassou a marca de 15 mil visualizações

Para saber um pouco mais da OVERDRIVE e seus planos para 2015 fomos conversar com sua bela e talentosa vocalista Fernanda Hay que gentilmente nos atendeu e com muita simpatia e paciência nos respondeu um 'monte' de perguntas. Confiram!

vocalista da Overdrive
SS - Olá Fernanda Hay, seja bem vinda ao ww.silenceofshadows.com.br
Fernanda Hay - Imagina, eu que agradeço vocês pelo carinho!

SS - Por favor, apresente a Overdrive para os leitores de Silence of Shadows, e diga com uma breve frase o motivo pelo qual eles devem ouvir a sua banda.
Fernanda Hay - Bom, lançamos nosso primeiro CD em Setembro de 2013 e desde então temos feito o que amamos, musica de verdade! Acho difícil falar sobre a banda e sobre nosso som, é mais fácil cada um escutar e tirar as próprias conclusões. No fim das contas essa é a parte mais gostosa a arte em geral, interpretar como bem entender, não é?! O motivo pelo qual deveriam escutar? Acho que ninguém deve escutar nada, mas fazemos nosso som com muita paixão e é fantástico poder dividir isso com vocês! Quem quiser trocar conosco essas sensações sinestésicas que a musica cria e dar uma chance para nos conectarmos desta forma, taca o play e bóra lá! 

SS - Fale um pouco sobre a Fernanda Hay na Overdrive e como você é quando não está com a banda.
Fernanda Hay - Nossa que pergunta difícil! É um assunto muito amplo. Bom a Fernanda é a mesma, acho que o que mais muda dentro e fora dos palcos é a timidez. No palco ou com os fãs eu dificilmente tenho vergonha de alguma coisa, mas longe de tudo isso sou um pouco tímida, houve uma época em que eu tinha vergonha de pedir comida por telefone, inclusive! (risos) Mas eu tenho melhorado. Parei para pensar nessas diferenças durante essa semana inclusive, falando com a Hellem, uma amiga que é como uma irmã para mim, ela disse  ”as pessoas que te veem pelo facebook não tem nem ideia de quem você é, Fer”. Será? Tenho pensado sobre isso, talvez ainda não saiba responder a esta pergunta direito, acredito que com o tempo as coisas vão aparecendo e ficando mais evidentes, quem sabe. Vamos fazer uma pesquisa, o que o pessoal da internet pensa sobre quem eu sou e o que meus amigos íntimos pensam. (risos) Brincadeira! Mas é difícil responder esta pergunta, olhando de dentro e vivendo isso 24/7.

SS - Como aconteceu sua entrada na Overdrive e comente sobre este projeto ousado que a banda faz de voltar às raízes do rock.
Fernanda Hay - Na época eu fui chamada para um teste, foi horrível! (risos) Acho que foi a pior vez que cantei na minha
vida, fiquei impressionada e encantada com o nível dos músicos, mas mandei muito mal! Tinha certeza que não ia entrar na banda, eles eram incríveis e eu fui um fiasco, no fim, cá estou. Vai ver eles não tinham muitas opções mesmo... (risos).

Voltar as raízes? Eu acho engraçado como todo mundo fala que temos uma pegada meio blues e jazz, não foi nada que sentamos e decidimos que seria assim. Bom, as composições no geral são do Luis, ele com certeza responderia muito melhor do que eu! Mas todo o resto foi ocorrendo de forma muito natural, além da cabeça genial do Luis, o Diego é um monstro tocando baixo, as linhas são insanas, o Joel também, tocar aquelas quebradeiras de tempo do Luis não é para qualquer um, eu acabei colocando minha identidade na voz e resultou na Overdrive! É um trabalho muito gostoso, sempre me sinto desafiada por estar ao lado deles.

SS - O que realmente a Overdrive busca ao incorporar ao seu som o blues e o jazz, originalidade tão importante dentro da cena rock nacional ou liberdade de criação e evolução?
Fernanda Hay - Não buscamos nada! Buscamos ser! Uma coisa muito legal da arte, da música é que não precisa ser justificada, cada característica é sua própria razão de ser. Antes de você buscar ela já te achou.

SS - Pode soar irônico, mas o disco de estreia da Overdrive mesmo sendo enraizado ‘no passado’ é um trabalho que se destaca justamente pelo contrário, a modernidade, sendo que boa parte desta, culpo a você, por seu timbre e técnica vocal. Você também vê assim? E quais os segredos técnicos dessa voz tão envolvente?
Fernanda Hay - Eu acredito que até nas coisas mais futurísticas encontramos rastros do passado, pois este foi fundamental na criação e desenvolvimento daquele, acaba que tudo é natural e acontece. Mas difícil essa pergunta também, agradeço muito, mas não concordo! (risos) Acho que cada integrante da banda é uma peça fundamental para nossa sonoridade. Claro que cada um traz muito de si e isso resulta no montante final! Segredos técnicos da voz envolvente, ual, obrigada! (risos) O segredo é que não importa quanta técnica você tenha e quão incrível sua voz seja, se você não for sincero nas suas palavras você nunca vai fazer música.

SS - Três faixas do álbum de estreia do Overdrive em especial são responsáveis pelo bom nível do disco, na minha opinião. E peço encarecidamente que faça uma autópsia delas pra gente e comente sobre, “Overdrive”,“Love Tricks”, “Midnight Sunlight”
Fernanda Hay - Cada um tem suas preferidas, isso é legal, acho que no final das contas cada uma tem seus devidos adoradores. A que tenho escutado o pessoal pedir mais nos show é a Circe, eu particularmente gosto muito dela também! (risos). Vamos lá, vou tentar:

Overdrive – Eu gosto muito dessa musica, a acho bem motivadora e sinto uma conexão muito deliciosa com o público quando a tocamos, como se fizéssemos de fato parte de alguma coisa.

Love Tricks – É muito gostoso tocá-la também, é a musica que menos tem a ver com o resto do CD, como se fosse uma pausa para explorar um pouco esse lado mais sexy, sempre bem divertido.

Midnight Sunlight – Pra mim o auge dela é a parte que eu não faço nada! (risos) Aquele solo do meio antes de voltar pra parte A, tem muitos momentos, muitas ideias, muito rico, comunica muito com a letra e o berro final é revigorante! (risos)

SS - O videoclipe é uma vitrine importante pra qualquer banda em termos de divulgação de imagem e som, a faixa “Love Tricks” ganhou um clipe onde vimos uma Fernanda Hay se apresentando de forma extremamente sensual. O vídeo mostrou uma Overdrive exatamente da forma que vocês queriam ser apresentados, ou o ar de sensualidade foi apenas por conta da canção “Love Tricks”?
Fernanda Hay - A musica pede isso! Acabou que aconteceu! Se eu te contar que a ideia inicial era completamente diferente? O primeiro roteiro que escrevemos foi uma comédia! Acabou não dando muito certo, mas até hoje escuto a musica imaginando o outro clipe! (risos) Ele nos trouxe um resultado muito legal, não esperávamos por tudo isso! Acabou pedindo esse ambiente,  duas cenas foram cortadas fora por que não casaram com o restante, mas era pra personagem principal ter levado um pé na bunda do noivo, no altar, para o clipe se desenrolar e ter um desfeche que também foi cortado. Mas gostamos muito do resultado final e estamos super felizes.

SS - Você já sofreu algum preconceito na cena rock por ser mulher?
Fernanda Hay - Por ser mulher? Talvez. Por não ser homem, nunca. As pessoas sempre vão falar dentro ou fora da cena, o importante é acreditar no seu trabalho e em si mesmo, sempre sorrindo! =D

SS - 2015 começou a todo vapor para a Overdrive que gravou um videoclipe ao vivo para a faixa “Midnight Sunlight”. Como foi pra vocês gravar mais um clipe e como tem sido o retorno do público?
Fernanda Hay - Não foi bem um clipe, foi uma session numa escola chamada Academia do Rock, eles fazem uma breve entrevista e gravam uma musica ao vivo na escola, com o equipamento e pessoal deles. Foi bem divertido o pessoal é muito bom e a escola é linda! O Luis, nosso guitarrista da aulas lá!

SS - Você também compõe? Toca algum instrumento?
Fernanda Hay - Eu arranho um pouco de violão, guitarra, piano... Algumas coisas, mas não sou boa em nada! (risos) Tenho algum material meu. Quem sabe um dia eu grave, quem sabe não... Vamos ver o que 2015 nos reserva. Na banda só faço as letras.

SS - Vocês trabalham com algum selo ou gravadora? E até onde isto é importante para a Overdrive?
Fernanda Hay - Não, é tudo produção independente. Não sei dizer até onde é importante por nunca ter tido uma experiência com gravadoras ou selos. Mas é bem suado e ralado, nós por nós mesmos e bóra!

SS - Ser uma musa do rock nacional está em seus planos? Por falar em beleza, é fácil pra você manter a boa forma?
Fernanda Hay - Uma musa? (risos) Acho engraçado quando falam isso, musa do rock, deusa do metal, diva do rock... Meus planos são cantar por aí, espalhar minhas ideias, minha musica, o que acontecer junto, aconteceu. Mas não, nunca pensei nisso não! Tem concurso, é? (risos) De qualquer forma, obrigada pelo elogio indireto! =D
Não é fácil não, eu sempre estou com alimentação regrada e rotina pesada de treinos, tenho tendência a engordar, já pesei 100Kgs. Hoje me permito me cuidar e tentar de fato alcançar uma forma que me agrada.

SS - Você é modelo ou já fez algum trabalho deste tipo?
Fernanda Hay - Sim, às vezes aparecem alguns trabalhos! Precisando, trabalhos são sempre bem vindos! (risos)

SS - O que mais gosta de fazer nas horas vagas?
Fernanda Hay - Horas vagas? Onde? Como? (risos) Gosto de ficar com a família e amigos, dar boas risadas com pessoas que eu amo, ter papos gostosos com pessoas inteligentes, com pessoas mais velhas, com crianças, ler bons livros, assistir Star Trek, jogar vídeo game, inventar receitas gostosas e light, inventar receitas gostosas não light (e me odiar por uma semana por ter comido aquilo, mas fazer de novo), escrever (poesias, contos, letras, o que for...), abraçar pessoas, ir ao parque, viajar, subir montanha, meditar, sei lá, tantas coisas!

SS - Como está  a agenda de shows e quais os planos da Overdrive para o futuro próximo?
Fernanda Hay - Em um mês haverá clipe novo! Esse ano,  CD novo! Várias gigs, março está lotadão de shows! Para quem quiser saber, tem a agenda de cada mês na nossa página www.overdrivesite.com

SS - O que podemos esperar da Overdrive em se tratando de um novo álbum?
Fernanda Hay - O inesperado, não há dosagens para nada e nem freios, muito menos para misturas. Muaahahahaaa

SS - Atualmente você tem algum projeto paralelo a Overdrive?
Fernanda Hay - Estou participando das gravações de um projeto muito legal com um pessoal de SP, mas ainda não posso falar sobre isso! Aguardem!

SS - Você deve ter cantores e cantoras que a inspiram, quais são?
Fernanda Hay - VÁRIOS, os mais fortes são o Bruce Dickinson, DIO, Freddy Mercury, Jorn Lande, Etta James e Nina Simone.

SS - Dentro da cena metal rock se fosse escolher cantores para fazer um dueto com você, quem escolheria?
Fernanda Hay - Nossa, quem eu NÃO escolheria é mais fácil! MUITA GENTE BOA! Tem que ser uma pergunta mais específica vai, me limita a um país, ou um estado, fica mais fácil! Três da gringa, fora os que me inspiraram ali da outra pergunta: Myles Kennedy, Rusel Allen, Glen Hughes, (vários outros). Três nacionais: Iuri Sanson, Alírio Netto e Leandro Caçoilo.

SS - O que é mais importante para a sua banda?
Fernanda Hay - Paixão por musica.

SS - Desde o início de sua carreira como cantora até hoje, qual foi momento mais marcante?
Fernanda Hay - Quando eu decidi deixar todas as outras coisas e me dedicar exclusivamente a minha carreira como artista em geral e cantora.

SS - Como você vê o momento atual do rock nacional?
Fernanda Hay - As banda e o publico são incríveis, sem dúvidas! Fico abismada com todo carinho! Mas essa pergunta não pode ser respondida em um parágrafo, acredito que as palavras do Bill Hudson a este respeito em Janeiro de 2012 respondem melhor a esta pergunta.

SS - Muito obrigado Fernanda, sinta-se livre para deixar suas palavras.
Fernanda Hay - Gostaria de agradecer imensamente a todos pelo carinho e apoio! Vocês são incríveis! Há novidades a caminho, fiquem ligados e KEEP OVERDRIVING! \,,/


Saiba mais sobre a Overdrive em: Facebook Oficial 

Nenhum comentário:

Postar um comentário