sábado, 12 de julho de 2014

0

DRY: Entrevista para o Uunderground’s Voice (Portugal)

A banda goiana de metal alternativo “DRY” concedeu entrevista para a página portuguesa “Underground’s Voice”.
O bate-papo foi divulgado neste Domingo, no Facebook e você pode conferir trechos da entrevista logo abaixo:

O Brasil volta a estar representado aqui. Os Dry são mais uma banda a passar pela Underground’s Voice! Aqui fica a entrevista:

U.V – Antes de mais, bem vindos à Underground’s Voice, é um prazer vos receber! Para quem não vos conhece, podem-se apresentar?
Dry – Somos o Dry do Brasil. Tocamos o que gostamos de ouvir, ou seja, basicamente música pesada!

U.V – Como surgiu o nome para a banda?
Dry – Seco, na tradução, vem da proposta sonora da banda. Desde o início buscamos um som direto e honesto. Outra leitura bem vinda diz respeito do lugar onde vivemos, Goiânia no planalto central brasileiro de altas temperaturas e que registra os menores índices de umidade relativa do ar. Um nome um tanto quanto irônico.

U.V – O vosso álbum de estreia “Enjoy the Fall” foi lançado recentemente. Como o definem e que diferenças apontam entre o álbum e o EP lançado um ano antes?
Dry – De fato nossa proposta sempre foi compor, gravar e lançar um álbum. Não que EPs sejam mais ou menos importantes, foi uma questão de teimosia mesmo. O “EP” (mais para um ‘demo reel’) surgiu pois precisávamos tocar nas casas de show, as pessoas queriam ouvir nosso som e uma banda independente como nós encontra dificuldades em gravar com qualidade e dedicação.
Em relação ao Enjoy The Fall posso dizer que foi uma experiência enriquecedora em todos os sentidos, do musical ao pessoal. Ter um álbum com as suas músicas gravadas, depois de rodar tocando por aí e suar a camisa é recompensador.

U.V – Falem-nos um pouco sobre todo o processo de composição/gravação do álbum!
Dry - As gravações iniciaram-se na segunda metade de 2012. Então, como vocês podem imaginar, foi um processo bastante extenso e extenuante. Nosso produtor, Fernando Santos Pandarus, abraçou o projeto como se fosse da banda e por isso o álbum teve êxito em captar nossa essência. Muitas sessões de gravações, takes refeitos, timbragens… Enfim, eu que sou vocalista, tive que esperar bastante tempo para começar a gravar, haha! Quase 2 anos depois vemos que valeu a pena!

Para conferir a entrevista na íntegra, acesse a página do Underground’s Voice no Facebook:

Fonte: Sunset Metal Press