quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

0

ENTREVISTA: com Paula Carregosa guitarrista da Panndora/Detonator e As Musas do Metal


Na entrevista de hoje conversamos com uma representante do sexo feminino no metal, a renomada guitarrista Paula Carregosa (Panndora e Detonator e as Musas do Metal) que nos falou com muito bom humor sobre seu início, influencias, cena metal brazuca, gostos pessoais, novidades sobre suas bandas e muito mais. Confiram!


SS – Olá, seja bem vinda ao Silence Of Shadows, grande satisfação em recebê-la por aqui.
Paula Carregosa - Obrigada por me receberem e pela oportunidade dessa entrevista

SS – Nos fale um pouco de você e sobre como surgiu este nome “Paulitchas Carregosa”?
Paula Carregosa - O Paulitchas na verdade foi um chefe meu que tinha mania de me chamar de paulixa, paulitcha, paulete, paulii, paulosa, e por ai vai. Hahaha Mas o predominante era paulitcha. E carregosa é meu sobrenome mesmo.

SS – Desde quando você toca guitarra? Já tocou outro instrumento antes?
Paula Carregosa - Tocava violão com 14 anos mas não curtia muito então fui pra batera, tocava em uma banda de hardcore em 2005 em que era baterista. A guitarra comecei a tocar em 2007 mais ou menos quando entrei pra uma banda de deathcore  chamada Waking the Silence, haha Bons tempos.

SS – Você está em duas bandas, ambas de Heavy Metal. Sempre esteve ligada ao metal pesado? Como você iniciou a carreira no rock metal e quem te influenciou a ser uma guitarrista?
Paula Carregosa - Na verdade não acho que Heavy Metal seja metal pesado, é o metal
normal, tradicional. Desde pequena sempre curti uma linha de metal mais puxada pro Death, não tenho preconceitos com outros estilos de Rock/Metal apesar de não curtir. Quando eu tocava na banda de hardcore, sempre estava descontente com o estilo da banda hahaha, mas aprendi a lidar e até ‘’gostar’’ um pouquinho. O mesmo acontece com o Heavy Metal, aprendi a ‘’gostar’’ mas só ouço quando eu toco mesmo, Em casa só DeathMetal.
Por mais que eu tivesse outras bandas antes do Detonator, eu levava mais como Hobbie e não como uma carreira. Então acredito que a carreira começou depois que entrei no Detonator, pela visibilidade do projeto.
Quem me influenciou a tocar guitarra de inicio foi meu pai porem não dei muita bola, e depois meus amigos da minha antiga banda de death na qual eu era baterista, por mais que eu tocasse razoável batera quando eu via os meninos tentando tocar algum riff e não conseguindo eu ia lá e tirava na hora, recebi várias xingamentos e palavras chulas dessas crianças haha eles me fizeram minha cabeça pra eu desistir da bateria e começar na guitarra.

SS – Tem muito vídeos da Paulitchas Carregosa no You Tube, qual vídeo podemos colocar aqui para aqueles que não conhecem seu talento passar a conhecer?
Paula Carregosa - Tem um que não coloquei no youtube, mas subi no facebook é o ultimo solo que eu tirei do Infant Annihilator. 
SS - 

SS – Sua página no Facebook tem mais de 23 mil fãs. Você se sente realizada e feliz no mundo do rock metal? Você vive exclusivamente do rock?
Paula Carregosa - Eu acredito que números de facebook não diz nada. Claro que fico feliz por esse apoio e reconhecimento, mas fico mais feliz ainda quando mandam mensagem de elogios, pedindo dicas ou principalmente que começou a tocar por minha causa, é bem legal saber que você influência, cria opinião e que a galera te ouve e você muda a vida delas de alguma forma, mas o numero de likes não importa, se tem 23 mil ou 10 pessoas se dentre essas 10 pessoas se eu mudar alguma atitude de alguém e até fazer com que comecem a tocar algum instrumento já está perfeito. Agora sobre se sentir realizada no Mundo Metal, acredito que a principal realização é algo mais pessoal de tocar cada vez melhor, aprender novas técnicas, e quando tiver mais quase nada pra aprender (bem difícil) estarei realizada e tocando com os peixes grandes hahaha. E não, não vivo exclusivamente do Rock.

SS – Como se deu sua entrada para o Detonator e as Musas do Metal e Panndora?
Paula Carregosa - Pro detonator estava tendo os testes no Rocka Rolla e alguém que não sei enviou um dos meus vídeos que postei no youtube a eles, e a MTV entrou em contato via facebook. No Panndora, já conhecia a Adrismith e quando eu entrei pro Detonator ela veio conversar comigo _ po, pensei que você não gostava de heavymetal, estamos precisando de uma guitarrista.  A Panndora tem vários pontos que acho relevante pra eu resolver fazer parte da banda e que vale apena, um desses pontos é como o clima da banda, a companhia das meninas, e que elas realmente tocam bem, ai entrei para o time das Panndora.



SS – Qual conselho você daria para uma garota que estiver lendo esta entrevista agora e tenha o sonho de formar sua própria metal female band?
Paula Carregosa - Não forme banda com mulheres. Hahaha mais ou menos brincadeira. Eu prezo pelo som! Banda feminina tem um destaque em imagem por sí só, é indiscutível. Chama atenção, é um marketing que pode ser usado a favor e sim rola um ‘’plus’’ a mais em relação a bandas de homens por ser considerado fora do ‘’normal’’, diferente. Acredito que bandas de mulheres tem sim que ter foto promo e trabalhar a imagem, assim como qualquer outra banda masculina faz.  Porém acredito que se tem a imagem, mas não tem som de nada vale. Muitas meninas tem esse sonho de formar a banda só com meninas e acabam montando banda com qualquer pessoa, meninas que não se esforçam pra tocar seus respectivos instrumentos direito, ou com meninas que só querem’’statis do rei de camarote do metal’’ e ai já sabemos o som da banda como fica, uma bosta. Acho que não tem que ter essa separação, banda female/male. Tem que estudar, tocar com gente que quer crescer no instrumento. Indiferente de tocar bem ou não, vocês que estão começando que achem meninas com força de vontade, que querem uma banda porque gostam de música e não de estar no ‘‘rolê’’. Vejo muita mina acomodada, ter banda não é só statis, é trabalhar, fazer um som bom e não qualquer coisa.  Acho que começar com uma banda mista é um bom começo, vai criando visibilidade e conhecendo novos músicos com a estrada faz projetos paralelos e ai forma a banda feminina completa com som de qualidade.

SS – O fato de você ser uma mulher facilitou ou dificultou alguma coisa em termos de carreira musical?
Paula Carregosa - Acho que facilita, pelo lance de visibilidade de não ser tão comum mulher tocando. O preconceito que existe em relação a isso, eu não vejo como uma dificuldade, mas como um fato engraçado!! hahaha vejo muito cara falando demais e que pouco faz, me garanto muito mais na guitarra que muitos marmanjos por ai que vivem criticando ihihih. O que dificulta é as limitações no instrumento, que todos que tocam tem. Eu tenho as minhas, mas que cada dia eu tento quebra-las mais e mais.

SS – O que gosta de fazer nas horas vagas?
Paula Carregosa - Dormir, assistir filme e comer doces. hahaha Bem caseira e com pensamento de gorda.

SS – Como foi o ano de 2013 pra você, o que mais marcou positivamente e negativamente?
Paula Carregosa - Positivamente foi conhecer meu namorado, muito feliz com nosso relacionamento. E não tenho nada negativo pra contar. Claro que acontecem situações não muito agradáveis em algum momento, mas eu não me importo muito. Eu sempre falava algo pra minha amiga Ju (baixista do Deto) meu lema da faculdade: ‘’relaxa na bolacha que tudo vai dar certo’’, então nem esquento minha cabeça, deve ser por isso que nem me lembro de nenhum fato triste.

SS – Se pudesse escolher um artista, banda nacional ou internacional para fazer um dueto ou abertura de show, quem escolheria?
Paula Carregosa - Eu escolheria fazer um dueto com Jeff loomis ou/e Keith Merrow.

SS – Panndora e Detonator e as Musas do Metal, o que podemos esperar de ambas bandas neste ano?
Paula Carregosa - Panndora tem várias datas de shows, eventos grandes previstos e estamos com um produtor agora, apoio que nunca tivemos. Além de uma gravadora da europa ter lançado nosso cd em disco que está pra chegar aqui, bem legal.
Detonator, faremos um ensaio fotográfico logo para o lançamento do disco. E provável que tocaremos (não estarei infelizmente) no Loolapalooza.

SS – Você é considerada uma musa do rock metal! Em shows, como é o assédio dos fãs contigo? Alguém já chegou a abusar de sua paciência, carisma e boa vontade?
Paula Carregosa - O pessoal respeita, mas sempre tem uns que chegam puxando tipo ‘’brutus’’ haha. Mas é bem tranquilo, tem uma galera que parece ficar com receio/ vergonha, uns fofos, mas a gente não morde não hahaha. Direto volto do trabalho conversando no trem com alguém que me reconheceu, eu acho o maior barato.


SS – Como está a agenda de shows confirmados para 2014 da Pandorra e Detonador e as Musas do Metal? E como você conciliará as duas bandas?
Paula Carregosa - Panndora tem dia 15/02 em Maringá, Roça em Roll e mais 2 shows em aberto. Detonator tem um no interior de SP dia 22/02, dia 15/03 em Espirito Santo, 06/04 Loolapalooza. Porem não estarei nos show do detonator dia 15/e 06 pois estarei no Reino Unido mas vão assistir minhas meninas e o bicha do Deto.

SS - Em 2013 divulgaram uma pesquisa sobre as músicas mais tocadas nas rádios populares e entre as (30+) não tivemos nenhuma música do rock metal. O que você achou disto?
Paula Carregosa - É o reflexo da ‘’cultura’’ e interesses do brasileiro, onde letra não importa mais, qualidade de som não importa mais, e sim ir para as baladas sensualizar e pegar geral. Músicas chulas, que só falam sobre sexo e expõe a mulher a ridículo, hoje não importa a qualidade da música, o talento. Hoje em dia se um babaca qualquer que cantar tchu tchã tche derê nhe nhe é considerado O talento, isso pra mim é defecar pela boca como diz o Away, essa lista nunca vai me representar, alias nem rádio eu ouço. Essa pesquisa não me surpreende já que a minoria realmente se importa com moral, princípios e valores.

SS – Como você vê o atual momento da cena metal brasileira?
Paula Carregosa - A cena independente tá crescendo muito, as bandas estão se juntando e crescendo juntas e isso é muito bom, esse apoio que rola entre bandas faz com que sejam reconhecidas até fora, mas ainda acho que mereciam ser mais reconhecidas. A cena metal Brasil só não morreu por conta dessa galera que tá fazendo acontecer!

SS - O que falta na cena metal brazuca para a indústria começar a investir mais em nossas bandas?
Paula Carregosa - Eu sinceramente não sei, no Brasil é muito difícil ter esse reconhecimento no meio Metal. Acredito que caminhar com as próprias pernas e tentar algo fora que é muito mais reconhecido é a melhor opção.

SS - Com o crescimento do mercado de venda de músicas online as bandas tendem a depender cada vez menos das gravadoras e selos?
Paula Carregosa - Eu acho que venda de música online, gravadoras, selos é tudo furada. Banda só ganha dinheiro fazendo show e merch, esse lance de vender música na internet já era, o melhor a fazer é tentar espalhar seu som o quanto mais pra ter mais público e consequentemente ter um show lotado. Gravadora e selo podem ajudar a arrumar shows, tours, mas acredito que dependendo da proposta não vale a pena.

SS – O programa All That Metal de Tiago Alano levantou uma questão que causou polêmica que foi “bandas que pagam para abrir shows”. Você tem uma opinião a respeito? Você pagaria para abrir um show internacional?
Paula Carregosa - Não pagaria e nem venderia ingressos. Eu só acho uma pena que bandas se sujeitão a isso e acho ridículo para casas de shows, barzinhos tratar músicos como vagabundos, eles deveriam ter mais senso que é um trabalho como qualquer outro de entretenimento, são horas investidas em ensaio, aulas para aperfeiçoamento, equipamentos caros, entre outros e que ter esse músico gera lucros para própria casa. Eu por exemplo não entro em barzinho que não tem uma música ao vivo por exemplo. Já vendi ingressos quando era mais nova, mas pensando hoje em dia eu estava com merda na cabeça, não façam isso.

SS – Agora peço por favor que você complete a frase:
Musicalmente falando, o mundo seria melhor sem ... "O MPB dos anos 2000 (não estou falando de Djavan, Elis, Zélia, Caetano isso tem outro nome talvez bossa nova)", completou Paula.

*Bate-volta – Paula Carregosa, fale sobre:
Assiste na TV?: Não assisto TV
Rádios e Web Rádios: Não escuto rádio 
Whiplash! (site): é uma referencia no metal
Wikimetal (site): se eu te falar que nunca entrei =S hahahha calmaa
ahhh fala ah verdade kkk já ouvi falar mas nunca entrei no site pra ser sincera
Público metal brazuca: tudo doido
Comida/bebida favorita: comida japonesa /milk-shake
Política: só dá ladrão
Religião: agnóstico
Copa do Mundo no Brasil: Mais roubalheira.
Um sonho: tocar melhor que o Jason Becker.
Três bandas undergrounds que todos deveriam conhecer: Infant Annihilator, I declare War, Thy art is Murder.

SS - Muito obrigado Paula Carregosa por nos conceder esta entrevista!



Saiba mais sobre Paula Carregosa em: