sexta-feira, 9 de março de 2012

6

Sol dos Insones - Lord Byron

Sol dos insones! Ó astro de melancolia!
Arde teu raio em pranto, longe a tremular,
E expões a treva que não podes dissipar:
Que semelhante és à lembrança de alegria!

Assim raia o passado, a luz de tanto dia,
Que brilha sem com raios fracos aquecer;
Noturna, uma tristeza vela para ver,
Distinta mas distante-clara-mas que fria!

Sol dos Insones - Lord Byron

6 comentários:

☠Neith War☠ disse...

O Sol que nos visita de tempos em tempos, e isso explica nossa constante melancolia...

Dellone disse...

Obrigado pela visita nobre Lady!
Tenha uma boa noite e Bom Fim de Semana!

Pierrot disse...

Não tem como explicar que mesmo com a igualdade de tempo entre a escuridão e o claro do dia, sempre preferimos o primeiro.

Parabéns pela ótima referência, Lord Dellone! ~

B! disse...

Grande Byron..
Exelente poema. Parabéns por publicar

Dellone disse...

Obrigado!
Muito grato pela visita,
és sempre muito bem vindo!

...De fato, esta opção é agradável
pois tem a vantagem do mistério.

Dellone disse...

Lord Byron é um dos grandes mestres!
Obrigado Srta Bruna
é sempre bom vê-la por aqui!

Postar um comentário